segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Mulheres e Árvores........perfeito....

Mulheres e Árvores


As mulheres são como as árvores: elas fincam raízes no solo dos nossos corações, têm paciência e capricho com o próprio crescimento, seus braços são poderosos e, ao abraçá-las, nossos espíritos recebem renovadas energias. Elas amam e cuidam dos seus frutos, mesmo sabendo que um dia o mundo os levará para longe. Outras, aquelas que não dão frutos, oferecem sua sombra àqueles que necessitam de descanso. Quando açoitadas por fortes ventos da vida, elas emanam o perfume da força, trazendo calma por mais assustadora que seja a noite. Seus corações voam alto o suficiente para escutarem mais de perto os recados do céu. Elas oxigenam as ruas das cidades, as avenidas, os acostamentos de estradas e as beiras de rios e até as matas. Elas entendem o canto dos passarinhos e, mais do que ninguém, valorizam e protegem seus ninhos. Suportam melhor a solidão e as dificuldades da vida… Elas nascem em maior número para que o verde da esperança jamais empalideça. Todas mulheres são árvores… e que lindas florestas elas fazem.
Namastê
O Deus que existe em mim saúda o Deus que habita em você

domingo, 16 de outubro de 2011

Poema de Fernando Pessoa - sem comentários...


Escrever é esquecer. A literatura é a maneira mais agradável de ignorar a vida. A música embala, as artes visuais animam, as artes vivas (como a dança e a arte de representar) entretêm. A primeira, porém, afasta-se da vida por fazer dela um sono; as segundas, contudo, não se afastam da vida - umas porque usam de fórmulas visíveis e portanto vitais, outras porque vivem da mesma vida humana. Não é o caso da literatura. Essa simula a vida. Um romance é uma história do que nunca foi e um drama é um romance dado sem narrativa. Um poema é a expressão de ideias ou de sentimentos em linguagem que ninguém emprega, pois que ninguém fala em verso.
Fernando Pessoa

domingo, 9 de outubro de 2011

Não tem olhos solares, meu amor...

Não tem olhos solares, meu amor;
Mais rubro que seus lábios é o coral;
Se neve é branca, é escura a sua cor;
E a cabeleira ao arame é igual.

Vermelha e branca é a rosa adamascada
Mas tal rosa sua face não iguala;
E há fragrância bem mais delicada
Do que a do ar que minha amante exala.

Muito gosto de ouvi-la, mesmo quando
Na música há melhor diapasão;
Nunca vi uma deusa deslizando,

Mas minha amada caminha no chão.
Mas juro que esse amor me é mais caro
Que qualquer outra à qual eu a comparo


                    William Shakespeare

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Hoje antes de dormir... me deu uma vontade de Shakespeare....


Há certas horas, em que não precisamos de um Amor...
Não precisamos da paixão desmedida...
Não queremos beijo na boca...
E nem corpos a se encontrar na maciez de uma cama...

Há certas horas, que só queremos a mão no ombro, o abraço apertado ou mesmo o estar ali, quietinho, ao lado...
Sem nada dizer...

Há certas horas, quando sentimos que estamos pra chorar, que desejamos uma presença amiga, a nos ouvir paciente, a brincar com a gente, a nos fazer sorrir...

Alguém que ria de nossas piadas sem graça...
Que ache nossas tristezas as maiores do mundo...
Que nos teça elogios sem fim...
E que apesar de todas essas mentiras úteis, nos seja de uma sinceridade
inquestionável...

Que nos mande calar a boca ou nos evite um gesto impensado...
Alguém que nos possa dizer:

Acho que você está errado, mas estou do seu lado...

Ou alguém que apenas diga:

Sou seu amor! E estou Aqui!

William shakespeare

sábado, 6 de agosto de 2011

Como diria Verissimo.... e você é a pessoa Errada??


Pensando bem em tudo o que a gente vê e vivencia
e ouve e pensa, não existe uma pessoa certa pra gente.
Existe uma pessoa que se você for parar pra pensar é, na verdade, a pessoa errada.
Porque a pessoa certa faz tudo certinho!
Chega na hora certa, fala as coisas certas,
faz as coisas certas, mas nem sempre a gente tá precisando das coisas certas.
Aí é a hora de procurar a pessoa errada.
A pessoa errada te faz perder a cabeça, perder a hora, morrer de amor...
A pessoa errada vai ficar um dia sem te procurar
que é pra na hora que vocês se encontrarem
a entrega ser muito mais verdadeira.
A pessoa errada, é na verdade, aquilo que a gente chama de pessoa certa.
Essa pessoa vai te fazer chorar, mas uma hora depois vai estar enxugando suas lágrimas.
Essa pessoa vai tirar seu sono.
Essa pessoa talvez te magoe e depois te enche de mimos pedindo seu perdão.
Essa pessoa pode não estar 100% do tempo ao seu lado, mas vai estar 100% da vida dela esperando você.
Vai estar o tempo todo pensando em você.
A pessoa errada tem que aparecer pra todo mundo, 
porque a vida não é certa.
Nada aqui é certo!
O que é certo mesmo, é que temos que viver cada momento, cada segundo, amando, sorrindo, chorando, emocionando, pensando, agindo,
querendo,conseguindo...
E só assim, é possível chegar àquele momento do dia em que a gente diz: "Graças à Deus deu tudo certo"
Quando na verdade, tudo o que Ele quer é que a gente encontre a pessoa errada pra que as coisas comecem a realmente funcionar direito pra 
gente...
Luis Fernando Veríssimo

quinta-feira, 28 de julho de 2011

E você...quando amou de verdade?



Quando eu realmente amei. 

Quando percebi que realmente amava em qualquer 
circunstância, eu estava no lugar certo na hora 
correta e no momento certo e então eu poderia relaxar. Hoje eu sei que tem um nome ... "Auto-Estima" Quando eu realmente amei, eu podia sentir a minha angústia e meu sofrimento emocional, não passa de um sinal de que estou indo contra as minhas próprias verdades. Hoje eu sei que é ... "Autenticidade" Quando você realmente me amou, eu parei de desejar que a minha vida foi diferente e comecei a ver tudo o que acontece e contribui para o meu crescimento. ... Hoje isso é chamado de "Maturidade" Quando eu realmente amei, comecei a perceber como ofensiva para tentar forçar uma situação ou pessoa, apenas para perceber que Eu desejo, sabendo que não é o momento ou a pessoa não está preparada, inclusive eu. Hoje sei que o nome que está ... "Respect" Quando você realmente me amou, eu comecei a me livrar de tudo o que não era saudável ... , pessoas, situações, tudo e qualquer coisa que me empurrou para baixo. Iniciar minha razão que a atitude chamada egoísmo....




 Hoje em dia é chamado de "Self Love" Quando você realmente me amou, eu parei de temer o tempo livre e desisti de fazer grandes planos, abandonei os projetos mega-para o futuro. Hoje, acho que o direito , o que eu gosto, quando quero no meu próprio ritmo. Hoje eu sei que é ... "Simplicidade" Quando eu realmente amei, eu desisti de querer ser sempre certo e com isso, eu perdi com menos frequência. Hoje eu descobri que este é o ... "Humildade" Quando eu realmente amei, eu desisti de ser revivendo o passado e se preocupar com o futuro. Agora, tenho em mente, que é onde a vida acontece. Hoje eu vivo um dia de cada vez. ...

 E isso é chamado de "Plenitude" Quando eu realmente amei, eu percebi que minha mente pode me atormentar e me decepcionar. Mas quando eu coloquei a serviço do meu coração, ela tem um grande aliado e valioso. Isso é tudo ... "Learn to Live" não deve ter medo de enfrentar os planetas se chocam e do caos muitas estrelas nascem. 

                 Charles Chaplin.

quarta-feira, 20 de julho de 2011

SOU DA ÉPOCA DO ABRAÇO......SINTA-SE ABRAÇADO.



 
Num mundo tão globalizado e movido à internet, msn, sms, face book, orkut, e tantas outras opções on-line, e-mails e mais e-mails, gente que a gente nunca nem viu, muitos não sabemos nem da onde são, claro que no meio dessas telas frias, a gente acaba encontrando pessoas bacanas, e as vezes até desprezamos uma amizade que poderia outrora ser muito bem vinda, mas, a velocidade da internet e do dia à dia das pessoas, não nos permite que sejamos tão perceptivos assim.
E nossas conversas acabam sendo rápidas e singulares, e muitas vezes monossilábicas, que por sinal me irrita muito, poxa, pra que chamar alguém pra conversar se vai dizer,
-oi..
-oiê
  -blz

Ai eu pergunto:
tudo bem com você?
-td otimu xim
Isso respondendo depois de uns 5 minutos de espera, alem do monte de emoticon pra te agradar.
blz, shuahushua, mulek,skola, meu Deus.
Bom, assim fica mesmo difícil fazer um amigo, eu sou da época em que os amigos se abraçavam, faziam rodas e cantava-mos juntos, a gente ligava um pro outro, mandava carta, meu Deus a quanto tempo você não escreve uma carta pra um amigo seu?
Hoje é dia internacional do amigo, um bom motivo, não? Pra pegar um afolha de papel e escrever breves palavras de carinho pra alguém que com certeza ta precisando do seu abraço.
Eu na medida do possível, mesmo que me olhem com cara de E.T. ainda mando minhas velhas e tão bem recebidas cartas, pois acreditem, as pessoas ainda adoram receber cartas, dão a desculpa de estarem sempre com pressa e sem tempo pra escrever, como eu não gasto meu tempo escrevendo, como eu gosto de dizer, eu dedico meu tempo a alguém, em troca só quero um sorriso.
Bom, como não tenho o endereço de todos do mundo..fica aqui meu grande abraço e o tempo dedicado a todos que nesse momento precisam de um abraço, de um carinho.
                                             Feliz dia internacional do Amigo. 

                                               João Usoti.      20/07/2011.

                                         

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Hoje acordei com vontade de Shakespeare.....



Aprendi que não posso exigir o amor de ninguém...
Posso apenas dar boas razões para que gostem de mim...
E ter paciência para que a vida faça o resto...
*****************************************************
De almas sinceras a união sincera
Nada há que impeça: amor não é amor
Se quando encontra obstáculos se altera,
Ou se vacila ao mínimo temor.
Amor é um marco eterno, dominante,
Que encara a tempestade com bravura;
É astro que norteia a vela errante,
Cujo valor se ignora, lá na altura.
Amor não teme o tempo, muito embora
Seu alfange não poupe a mocidade;
Amor não se transforma de hora em hora,
Antes se afirma para a eternidade.
Se isso é falso, e que é falso alguém provou,
Eu não sou poeta, e ninguém nunca amou.
****************************************************
*********
O tempo é muito lento para os que esperam
Muito rápido para os que tem medo
Muito longo para os que lamentam
Muito curto para os que festejam
Mas, para os que amam, o tempo é eterno
.
William Shakespeare

sexta-feira, 8 de julho de 2011

sonhar.............

          Sonhar.............

Mesmo um sonho impossível...
Amar...ainda que sem retorno...
Chorar...quando tiver vontade...
Sorrir sempre
Viver...como se cada minuto fosse o último de sua vida
Não tenha medo do seu coração
Não tenha medo do amanhã
Não tenha medo de sentir...de buscar...
Não tenha medo de dizer para alguém o quão ela é importante pra vc.
Não tenha medo de nada.
Simplesmente seja você e sonhe.


autor desconhecido.

quinta-feira, 7 de julho de 2011

CURTA METRAGEM - D. HERMÍNIA.



Um curta metragem, em que faço um pai carinhoso,marido amigo, genro atencioso,
e mostra como as pessoas são distraídas na hora da comunicação..... espero que gostem....direção de Claudia Castro..

Ser forte, é aprender a dizer não a si mesmo...

 

amar é se doar..............
amar é ter no outro um pedaço de você.................
mas nunca esquecer que cada um é um....
um ser único ...........
amar é querer ver toda hora...
mas saber que nem toda hora da pra ver.....
amar é ser leal,,,,,não com a pessoa pura e simplesmente.......
mas com o nosso sentimento propriamente dito....
e as vezes por obra do acaso ou destino 
a pessoa por quem  declaramos nosso amor...
vai embora
é claro que por se encontrar repleto de amor
vamos a luta

as vezes ficamos cegos e tentamos de qualquer forma resgatar aquele que achamos ser o nosso grande amor, que sem ele  não conseguiremos sobreviver,
porém,quando esse alguém diz não
muitas vezes não..
demonstrar nosso amor e ser forte

é recuar
dizer não a si mesmo.
deixar esse alguém seguir seu rumo.

e tentar seguir o seu também.
o amor não é um jogo, ninguém ganha ou perde
apenas o momento passou.

....................................João Usoti.

terça-feira, 5 de julho de 2011

Sonho de Ícaro.....que saudade.....


Voar, voar
Subir, subir
Ir por onde for
Descer até o céu cair
Ou mudar de cor
Anjos de gás
Asas de ilusão
E um sonho audaz
Feito um balão...
                                                                  No ar, no ar
                                                                  Eu sou assim
                                                                  Brilho do farol
                                                                  Além do mais
                                                                  Amargo fim
                                                                  Simplesmente sol...
Rock do bom
Ou quem sabe jazz

Som sobre som
Bem mais, bem mais...
O que sai de mim
Vem do prazer
De querer sentir
O que eu não posso ter
O que faz de mim
Ser o que sou
É gostar de ir
Por onde, ninguém for...
Do alto coração
Mais alto coração...

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Ser feliz ou ter razão?

UM TEXTO BEM INTERESSANTE P/PENSAR A RESPEITO
                                SER FELIZ OU TER RAZÃO?


Oito da noite, numa avenida movimentada. O casal já está atrasado
para jantar na casa de uns amigos. O endereço é novo e ela consultou no
mapa antes de sair. Ele conduz o carro. Ela orienta e pede para que vire,
na próxima rua, à esquerda. Ele tem certeza de que é à direita. Discutem.
Percebendo que além de atrasados, poderiam ficar mal-humorados, ela
deixa que ele decida. Ele vira à direita e percebe, então, que estava
errado.
Embora com dificuldade, admite que insistiu no caminho errado,
enquanto faz o retorno. Ela sorri e diz que não há nenhum problema se chegarem
alguns minutos atrasados. Mas ele ainda quer saber: - Se tinhas tanta
certeza de que eu estava indo pelo caminho errado, devias ter insistido um pouco
mais... E ela diz: - Entre ter razão e ser feliz, prefiro ser feliz.
Estávamos à beira de uma discussão, se eu insistisse mais, teríamos
estragado a noite!

MORAL DA HISTÓRIA

Esta pequena história foi contada por uma empresária, durante uma
palestra sobre simplicidade no mundo do trabalho. Ela usou a cena para ilustrar
quanta energia nós gastamos apenas para demonstrar que temos razão,
independentemente, de tê-la ou não. Desde que ouvi esta história,
tenho me perguntado com mais freqüência: 'Quero ser feliz ou ter razão?



Outro pensamento parecido, diz o seguinte: "Nunca se justifique; os amigos
não precisam e os inimigos não acreditam".



Eu já decidi... EU QUERO SER FELIZ

               
............e você?

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Silêncio..................quando é a hora de calar?


O poeta apaixonado,     
quando sofre, não cala
tenta da maneira mais nobre sobreviver...
por que o poeta não é egoísta ....
ele é fantasioso...
ele é sonhador...
e qualquer um..
que mesmo que sofra
ainda consiga sonhar
nunca deixa de lutar


mesmo que as vezes tenhamos de abandonar a luta
não por covardia ou medo ou falta de argumento...
não...claro que não...
as vezes tem que ter muita coragem para desistir de lutar
para abdicar de um amor,
que naquele momento por mais que você ame
ele precisa do seu silencio.




                                                                            ...... João Usoti. 

sábado, 25 de junho de 2011

JOÃO USOTI -AMOR - NINGUÉM TEM CULPA.



E Eu como um mero poeta..escrevo..escrevo, e pouco paro pra pensar nesse momento de indecisão vou na direção do vento e pouco penso no senso medo de parar e errar alias,medo de seguir e errar também ,me faz refém de uma luta comigo mesmo, pelo que conheço de mim......estou prestes a explodir...

me calo ,me curvo... me pego sem pensar em nada.. na verdade não é fuga,é a maneira de lutar ou tentar vencer sem estar lutando..sei lá... é complicado....os sentimentos são complicados... nada disso....complicadas são as pessoas.... mania de medir sentimentos.. o nome é claro,sentimento , é pra sentir.. mas as pessoas complicam tudo, querem medir e ficam arrumando desculpas para não assumirem culpas, mas quem é culpado de sentir ou não sentir isso ou aquilo por alguém? ninguém tem culpa,o amor não se da por razão,nem por opinião é por filem,por pele,por química,não tem como medir nem explicar o melhor nesse caso é sentir, se entregar e nunca esquecer que ninguém tem culpa.


                                                                                              João Usoti.

sábado, 4 de junho de 2011

Saudade... é tão bom... matar a saudade é melhor ainda...

Um dia a maioria de nós irá se separar. Sentiremos saudades de todas as conversas jogadas fora, as descobertas que fizemos, dos sonhos que tivemos, dos tantos risos e momentos que compartilhamos...

Saudades até dos momentos de lágrima, da angústia, das vésperas de finais de semana, de finais de ano, enfim... do companheirismo vivido... Sempre pensei que as amizades continuassem para sempre...

Hoje não tenho mais tanta certeza disso. Em breve cada um vai pra seu lado, seja pelo destino, ou por algum desentendimento, segue a sua vida, talvez continuemos a nos encontrar, quem sabe... nos e-mails trocados...

Podemos nos telefonar... conversar algumas bobagens. Aí os dias vão passar... meses... anos... até este contato tornar-se cada vez mais raro. Vamos nos perder no tempo...

Um dia nossos filhos verão aquelas fotografias e perguntarão: Quem são aquelas pessoas? Diremos que eram nossos amigos. E... isso vai doer tanto!!! Foram meus amigos, foi com eles que vivi os melhores anos de minha vida!

A saudade vai apertar bem dentro do peito. Vai dar uma vontade de ligar, ouvir aquelas vozes novamente... Quando o nosso grupo estiver incompleto... nos reuniremos para um último adeus de um amigo. E entre lágrima nos abraçaremos...

Faremos promessas de nos encontrar mais vezes daquele dia em diante. Por fim, cada um vai para o seu lado para continuar a viver a sua vidinha isolada do passado... E nos perderemos no tempo...

Por isso, fica aqui um pedido deste humilde amigo: não deixes que a vida passe em branco, e que pequenas adversidades sejam a causa de grandes tempestades...

Eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores... mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos!!! 

 Vinícius de Moraes 

Saudade....
Sinto saudades de tudo que marcou a minha vida. Quando vejo retratos, quando sinto cheiros, quando escuto uma voz, quando me lembro do passado, eu sinto saudades...
Sinto saudades de amigos que nunca mais vi, de pessoas com quem não mais falei ou cruzei...
Sinto saudades da minha infância, do meu primeiro amor, do meu segundo, do terceiro, do penúltimo e daqueles que ainda vou ter, se Deus quiser...
Sinto saudades do presente, que não aproveitei de todo, lembrando do passado e apostando no futuro...
Sinto saudades do futuro, que se idealizado, provavelmente não será do jeito que eu penso que vai ser...
Sinto saudades de quem me deixou e de quem eu deixei! De quem disse que viria e nem apareceu; de quem apareceu correndo, sem me conhecer direito, de quem nunca vou ter a oportunidade de conhecer.
Sinto saudades dos que se foram e de quem não me despedi direito!
Daqueles que não tiveram como me dizer adeus; de gente que passou na calçada contrária da minha vida e que só enxerguei de vislumbre!
Sinto saudades de coisas que tive e de outras que não tive mas quis muito ter!
Sinto saudades de coisas que nem sei se existiram.
Sinto saudades de coisas sérias, de coisas hilariantes, de casos, de experiências...
Sinto saudades do cachorrinho que eu tive um dia e que me amava fielmente, como só os cães são capazes de fazer!
Sinto saudades dos livros que li e que me fizeram viajar!
Sinto saudades dos discos que ouvi e que me fizeram sonhar,
Sinto saudades das coisas que vivi e das que deixei passar, sem curtir na totalidade.
Quantas vezes tenho vontade de encontrar não sei o que... não sei onde... para resgatar alguma coisa que nem sei o que é e nem onde perdi...
Vejo o mundo girando e penso que poderia estar sentindo saudades Em japonês, em russo, em italiano, em inglês... mas que minha saudade, por eu ter nascido no Brasil, só fala português, embora, lá no fundo, possa ser poliglota.
Aliás, dizem que costuma-se usar sempre a língua pátria, espontaneamente quando estamos desesperados... para contar dinheiro... fazer amor... declarar sentimentos fortes... seja lá em que lugar do mundo estejamos.
Eu acredito que um simples "I miss you" ou seja lá como possamos traduzir saudade em outra língua, nunca terá a mesma força e significado da nossa palavrinha.
Talvez não exprima corretamente a imensa falta que sentimos de coisas ou pessoas queridas.
E é por isso que eu tenho mais saudades... Porque encontrei uma palavra para usar todas as vezes em que sinto este aperto no peito, meio nostálgico, meio gostoso, mas que funciona melhor do que um sinal vital quando se quer falar de vida e de sentimentos.
Ela é a prova inequívoca de que somos sensíveis! De que amamos muito o que tivemos e lamentamos as coisas boas que perdemos ao longo da nossa existência...     

Clarice Lispector

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Acorrentado - Festival Curta a Vida 2009

a vida me ensinou..............e a vc?

A vida me ensinou...
A dizer adeus às pessoas que amo, sem tirá-las do meu coração;
Sorrir às pessoas que não gostam de mim,
Para mostrá-las que sou diferente do que elas pensam;
Fazer de conta que tudo está bem quando isso não é verdade, para que eu possa acreditar que tudo vai mudar;
Calar-me para ouvir; aprender com meus erros.
Afinal eu posso ser sempre melhor.
A lutar contra as injustiças; sorrir quando o que mais desejo é gritar todas as minhas dores para o mundo.
A ser forte quando os que amo estão com problemas;
Ser carinhoso com todos que precisam do meu carinho;
Ouvir a todos que só precisam desabafar;
Amar aos que me machucam ou querem fazer de mim depósito de suas frustrações e desafetos;
Perdoar incondicionalmente, pois já precisei desse perdão;
Amar incondicionalmente, pois também preciso desse amor;
A alegrar a quem precisa;
A pedir perdão;

A sonhar acordado;
A acordar para a realidade (sempre que fosse necessário);
A aproveitar cada instante de felicidade;
A chorar de saudade sem vergonha de demonstrar;
Me ensinou a ter olhos para "ver e ouvir estrelas", 
embora nem sempre consiga entendê-las;
A ver o encanto do pôr-do-sol;
A sentir a dor do adeus e do que se acaba, sempre lutando para preservar tudo o que é importante para a felicidade do meu ser;
A abrir minhas janelas para o amor;
A não temer o futuro;
Me ensinou e está me ensinando a aproveitar o presente,
como um presente que da vida recebi, e usá-lo como um diamante que eu mesmo tenha que lapidar, lhe dando forma da maneira que eu escolher.
Charles Chaplin

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Borboletas - Mário Quintana.


BORBOLETAS

Quando depositamos muita confiança ou expectativas em uma pessoa, o risco de se decepcionar é grande. As pessoas não estão neste mundo para satisfazer as nossas expectativas, assim como não estamos aqui, para satisfazer as dela. Temos que nos bastar... nos bastar sempre e quando procuramos estar com alguém, temos que nos conscientizar de que estamos juntos porque gostamos, porque queremos e nos sentimos bem, nunca por precisar de alguém. As pessoas não se precisam, elas se completam... não por serem metades, mas por serem inteiras, dispostas a dividir objetivos comuns, alegrias e vida.

Com o tempo, você vai percebendo que para ser feliz com a outra pessoa, você precisa em primeiro lugar, não precisar dela. Percebe também que aquela pessoa que você ama (ou acha que ama) e que não quer nada com você, definitivamente, não é o homem ou a mulher de sua vida.
Você aprende a gostar de você, a cuidar de você, e principalmente a gostar de quem gosta de você. 
O segredo é não cuidar das borboletas e sim cuidar do jardim para que elas venham até você.  No final das contas, você vai achar não quem você estava procurando, mas quem estava procurando por você!

Mário Quintana

terça-feira, 29 de março de 2011

Este post foi criado por Luis Fabiano - Diretor do curta.

terça-feira, 29 de março de 2011


CINEMA DE GARAGEM

Ainda bem que bom humor tínhamos de sobra
A estampa do figurino é de... gominhos de tangerina. Luxo!
Passando o texto com os atores
O visual kitsch da casa de Alzira e Orlando
Por aqui eu acompanhava as filmagens
Tony Valentte como "Sérgio Afonso" e Fá Ferreira como "Maria Helena" Final das filmagens, Carlos Tousi, Juh Ferraz, eu e lá atrás, tentando se esconder, Tiago Cardoso

Vocês certamente já ouviram aquela famosa frase do Glauber Rocha, “uma câmera na mão e uma ideia na cabeça”. Durante muito tempo, ela serviu para romantizar a aventura de se fazer cinema com baixíssimo orçamento e ideal revolucionário. Muito tempo depois, com o surgimento de novas tecnologias e o acesso mais rápido e fácil a elas, o dramaturgo e cineasta Domingos de Oliveira criou um novo termo, “B.O.A.A.”, que se refere aos filmes de “baixo orçamento, mas feitos com alto astral”. Só mesmo o sábio Domingos para ter uma sacada dessas! Vejam bem, filmes que contenham, pelo menos, intenções cinematográficas, não confundir com os vídeos da Sthefany Absoluta e companhia. Onde eu quero chegar? É que eu e meu amigo e videomaker Tiago Cardoso acabamos de fazer um filme no melhor estilo “B.O.A.A”. Ainda não podemos mostrá-lo aqui, porque está em fase de finalização, mas, mesmo assim, quis dividir com vocês o que aprendi com essa ótima experiência. Em breve, colocaremos o nosso rebento na rede “para que conhecidos e desconhecidos se deliciem” ou “para chatear os imbecis”, vai saber, como diz aquela saborosa canção “Por que você faz cinema?”, da Adriana Calcanhotto e do Joaquim Pedro de Andrade. Por enquanto, só podemos divulgar o que aconteceu nos bastidores.

Assim que recebi o e-mail do Tiago, falando de um festival para curtas de até três minutos – com o prazo para inscrição estourando –, abri o meu editor de texto e escrevi o roteiro de um fôlego só. Não foi nenhum sacrifício. Três minutos na tela exigem no máximo duas páginas de roteiro. Já tinha mais ou menos a ideia na cabeça, bastou apenas dar uma ajustada. Também não imaginava que ele fosse gostar do que escrevi, um kitsch movie com pitadas de humor negro, cheio de referências retrô, nada parecido com o seu estilo bem comportado. Mas ele não só curtiu a ideia como também, durante a montagem do filme, até se emocionou. Beijo de Novela então foi surgindo. A história é bem simples, mas depois foi ganhando nuances bem interessantes e divertidas. Alzira é uma jovem do morro do Reco-Reco, que nunca beijou na boca porque seus dentes são cheios de cáries e ela odeia dentista. Como o bicheiro Orlando tinha uma dívida com o pai dela, ele aceitou desposar a moça, mas com a condição de nunca beijá-la. Ultrajada, Alzira tenta realizar o seu grande sonho, ganhar dele um beijo daqueles de novela, afinal ela é fã ardorosa do gênero. Bem, é tudo que eu posso falar, sem estragar o final. Já agradeço aqui publicamente a Juh Ferraz e ao Carlos Tousi que souberam dar vida a esses dois personagens com muita competência e também ao Tony Valente e a Fá Ferreira que fizeram uma participação especial bem divertida.

Feitos os ajustes no roteiro, partimos para a produção. Aqui começa realmente o nosso trabalho, porque um filme “B.O.A.A.” é realizado basicamente sob a filosofia do “faça você mesmo”. Tinha como referência aqueles filmes pré-históricos do Almodóvar como Labirintos de Paixões (1982), então saí para garimpar um figurino bem retrô e colorido, pensei também num cenário que seguisse essa mesma linha, um barraco de favela, mas que fosse bem charmoso, que tivesse personalidade. Não foi difícil encontrar os móveis e objetos, pior mesmo foi carregar parte do cenário na chuva. Tudo pela arte, claro. Nessa hora tem que ter muito bom humor, caso contrário, você joga tudo no lixo e volta pra casa, para se enterrar nas cobertas e assistir a seus DVDs favoritos. Sobre o cenário é importante ressaltar que não dava simplesmente para chegar à casa do Tiago e dizer que pintaríamos a parede da sua garagem (o nosso modesto estúdio) de vermelho. As coisas não funcionam assim, temos que adequar a nossa fantasia à realidade disponível. Aliás, existe um abismo gigantesco entre o que planejamos e o que conseguimos fazer, mas é preciso não desanimar. Tem que colocar um sorriso no rosto e seguir. Mas até que o resultado estético ficou bastante crível. O problema é que o cenário teve que ser montado duas vezes, o que exigiu uma dose extra de paciência. Uma para testes de luz e câmera e outra para a filmagem mesmo. Dois dias de produção e ainda estava achando tudo muito divertido. A descoberta do chroma key (o fundo verde que na edição ganha o cenário que quisermos), por exemplo, foi o máximo! Bem, até minutos antes das filmagens, quando metros e metros de tecido verde despencaram do teto e eu tive que fixá-los novamente, às pressas, fingindo estar tudo sob controle.

Quando o dia da filmagem chegou, as palavras que mais se ouviam no set eram: “Estou exausto!”. Ditas por mim, claro, que fazia o meu début por trás das câmeras. Dez minutos de atraso dos atores e eu já entrava em pânico. No nosso cronograma, as gravações deveriam começar às nove da noite e ir até a uma da manhã, no máximo! Por conta de alguns contratempos (eles sempre existem), chegamos até as três. Não sei se vocês sabem, mas cada cena tem que ser filmada várias vezes, de vários ângulos diferentes, e só na pós-produção é que são montadas em seqüência. Então é como se o mesmo filme fosse feito quatro ou cinco vezes, por isso os atores tem que ter muita concentração, paciência e não deixar a emoção cair um só minuto. Enquanto o Tiago operava a câmera, eu me dividia entre orientá-lo quanto ao enquadramento e a fotografia e a direção dos atores, afinal praticamente não houve ensaio. Entra aqui uma personagem digna de uma comédia do Mauro Rasi, a minha mãe. Se você quer enlouquecer um diretor de cinema, basta despachar a sua mãe para o set. A minha foi assistir às filmagens espontâneamente, mas, por não entender nada do processo, achava que eu exigia demais dos atores e mãe é mãe, né?, elas sempre acham que basta qualquer coisa ser feita pelos filhos que está tudo ótimo. Não é bem assim. De longe, eu ouvia os seus murmúrios e isso muitas vezes me deixava tenso, nervoso.

Já ia até esquecendo, o festival não permite uso de imagens e nem trilha sonora sem autorização, então tivemos que buscar algumas soluções que nem sempre são ideais. Nada de foto do Tarcísio Meira ou do Tony Ramos, por exemplo. Reclamei muito, mas no final deu tudo certo. A pós-produção é muito cansativa também, exige muita dedicação, muita paciência, mérito exclusivo do Tiago. Nessa parte, eu dava apenas alguns palpites. Mas, depois que tudo passa, ficamos com aquela sensação de que poderíamos ter feito melhor, mesmo sabendo de todas as nossas limitações, mas também o quanto foi prazeroso, o quanto aquele convívio foi agradável, o quanto é bom ver algo que nós imaginamos ganhar vida. E a melhor definição para esse estilo de cinema, se é que podemos chamar assim, veio do próprio ator do filme. Lá pelas tantas, o Carlos Tousi me confortou: Não tem problema nenhum, se precisar a gente fica até de manhã, é assim mesmo, só não pode faltar amor. Bonito, né? Enfim, queria muito dividir esse momento bacana com vocês.